Segurança

Títulos que contam com a cobertura do Fundo Garantidor de Créditos possuem uma garantia de até R$ 250 mil por emissor e por CPF de investidores em caso de falência da instituição ou do não pagamento das aplicações.

O que é o FGC

O FGC não é um órgão ou uma instituição pública, é uma entidade privada, sem fins lucrativos, que tem como objetivo de proteger as aplicações financeiras de investidores e poupadores, caso ocorra falência da instituição financeira.

Até o final de 2017, era possível recuperar os valores investidos até o limite de R$ 250 mil por CPF/CNPJ e por instituição financeira. Essa regra foi alterada pelo CMN (Conselho Monetário Nacional) onde foi estabelecido um teto global de R$1 milhão por CPF ou CNPJ.

Assim, se um investidor receber R$ 250 mil em pagamento de garantia do FGC, poderá receber até R$ 750 mil adicionais do FGC em um período de 4 anos (considerando outros investimentos garantidos pelo FGC que o investidor pode ter feito durante este período). A contagem só começa a partir do primeiro evento de liquidação ou intervenção em instituição onde o investidor tenha valor garantido pelo FGC, e o teto é restabelecido após o período de 4 anos.

Vale notar que a regra só se aplica a investimentos contratados ou repactuados a partir do dia 22 de dezembro de 2017. Também vale ressaltar que o limite de garantia de R$ 250 mil por CPF/CNPJ e instituição financeira foi inalterado.

Confira os Títulos de Renda Fixa
cobertos pelo FGC

CDB LCA LCI LC

O que é coberto pelo FGC

Caso ocorra falência da instituição financeira, o FGC proporciona garantia ordinária à:

  • Depósitos à vista ou sacáveis mediante aviso prévio;
  • Depósitos de poupança;
  • Depósitos a prazo, com ou sem emissão de certificado: CDB, RDB
  • Depósitos mantidos em contas não movimentáveis por cheques destinadas ao registro e controle do fluxo de recursos referentes a prestação de serviços de pagamento de salários, vencimentos, aposentadorias, pensões e similares;
  • Letras de Câmbio (LC)
  • Letras Hipotecárias (LH)
  • Letras de Crédito Imobiliário (LCI)
  • Letras de Crédito do Agronegócio (LCA)
  • Operações compromissadas que têm como objeto títulos emitidos, após 8 de março de 2012, por empresa ligada.